Google+ Followers

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Prefeito nega pedido de aumento de tarifa para transporte público


Mesmo sem o aval do Conselho Municipal de Transporte e de outros órgãos que deliberam sobre o funcionamento do transporte público de passageiros em Parauapebas, a Central das Cooperativas de Vans, empresa responsável pela exploração dos serviços de transporte de passageiros na cidade, anunciava nos coletivos o aumento da tarifa de R$ 1,50 para R$ 2,00, a partir de 1º de dezembro.
Ao tomar conhecimento de que a Central já havia fixado comunicado no interior das vans que fazem o transporte de passageiros, determinando deliberadamente o aumento da tarifa, o prefeito Darci José Lermen (PT) convocou para uma reunião na terça-feira (27) representantes das cooperativas prestadoras do serviço de transporte público e negou o aumento da tarifa solicitado pela Central das Cooperativas de Vans, determinando, inclusive, que agentes do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) retirassem do interior das vans o comunicado da Central, assinado pelos diretores Jovelino Mendes do Amaral e Rogério Alves Pereira.
Mesmo assim, o gestor municipal informou que as negociações para majoração do preço da passagem urbana vão continuar ocorrendo entre operadores do serviço e prefeitura, “mas o aumento só será autorizado quando a frota de veículos (vans e micro-ônibus) for renovada”, afirma o chefe do Executivo.
A Central justifica que não ocorre aumento na tarifa de passagem urbana há quatro anos e quer que o preço passe de R$ 1,50 para R$ 2,00, um aumento de 33,3%, percentual, segundo o prefeito, seis vezes maior que a média do Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) nesse mesmo período. Por conta disso, Darci Lermen cobra da prestadora de serviços um estudo mais detalhado para definição de novo valor da passagem.
Presente à reunião, Jovelino Mendes do Amaral, diretor administrativo da Central, explicou que um processo de financiamento para renovação da frota já foi iniciado junto ao Banco da Amazônia, e “logo que (o dinheiro) for liberado iniciaremos a compra dos novos veículos”, afirma o diretor.
AJUSTE DE CONDUTA
Convém registrar aqui que o transporte coletivo na cidade está funcionando dentro de um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) realizado entre o Ministério Público, Prefeitura Municipal e Central das Cooperativas, onde as duas últimas prometeram tomar diversas providências no sentido de melhorar o sistema de funcionamento do transporte público coletivo.
A prefeitura sustenta que vem cumprindo à risca o prometido, com a construção e conservação das vias de tráfego, colocação de sinalização vertical e horizontal em todo o percurso, sinalização eletrônica nos setores mais críticos, sinalização em todos os pontos de embarque e desembarque, construção de pontos com cobertura e assentos e diversas outras medidas, além de estudos e planejamentos para a implementação de um processo que venha trazer solução e acabar com o caos que se transformou o transporte coletivo na cidade.
Do outro lado, o transporte coletivo na cidade não tomou até agora nenhuma medida para acabar com a desordem que as vans colocam nas ruas da cidade, de acordo com reclamações de usuários do serviço.
Segundo essas reclamações, a maioria dos motoristas de vans faz constantemente pega pelas ruas da cidade, disputando quem chega primeiro no ponto de parada para pegar passageiro; motorista e trocadores mal educados e sem a menor noção de responsabilidade com os usuários; desrespeito com os idosos, estudantes, deficientes e outros; veículos superlotados, colocando em risco a vida tanto dos tripulantes como de usuários; acidentes e veículos parados na pista por falta de conservação, sem que nenhuma providência tenha sido tomada pelos poderes públicos, e os dirigentes dos serviços ainda querem aumento de passagem. (Reportagem: Ronaldo Modesto; redação: Waldyr Silva)

Jovem que deu à luz durante Enem estuda para nova prova em MS

A jovem Pâmela de Oliveira Lescano, de 18 anos, que deu à luz minutos antes do início das provas do segundo dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), estuda para a nova chance de prestar o exame. Ela poderá fazer as provas que perdeu nos dias 4 e 5 de dezembro, segundo determinação do Ministério de Educação (MEC).

Pâmela disse que está conciliando os papéis de mãe e de estudante com tranquilidade. Pela manhã, a jovem ajuda nos afazeres domésticos da casa e cuida do filho, o pequeno Everton, que ainda nem completou um mês. À tarde, quando ele dorme, ela aproveita para estudar. “Ele não atrapalha, é calminho, dorme bastante e só chora quando quer mamar. Às vezes eu coloco ele no berço ou então estudo com ele no colo mesmo”, contou ela.

Pâmela mora com a mãe e a irmã em uma pequena casa no assentamento Eldorado, localizado na zona rural de Sidrolândia, a 70 km de Campo Grande. A família vive da renda das pequenas plantações e da criação de galinhas. “Meu sonho é ver a Pâmela formada. Essa vida na zona rural é muito difícil e por isso eu não quero que ela pare de estudar”, revelou a mãe, Leide Oliveira Lima, de 45 anos, que também ajuda a filha a cuidar do neto.

A avó afirmou que o neto passou a ser o xodó da casa. “Ele é uma gracinha, trouxe alegria para a casa. Todo mundo que vem aqui quer pegar ele no colo", disse.

A estudante, que cursa o 3º ano do ensino médio em uma escola rural da região, ainda não decidiu qual carreira quer seguir. Ela disse que está dúvida entre medicina veterinária e jornalismo. “Estou bem confiante. Acho que fui bem no primeiro dia do Enem e estou me esforçando para aproveitar ao máximo essa nova chance de fazer as provas do segundo dia”, afirmou Pâmela. (Fonte: G1)

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Ensino médio público tem 8,6% de estudantes de famílias ricas

Estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta quarta-feira (28), mostra que 8,6% dos estudantes do ensino médio matriculados nas escolas da rede pública pertencem a famílias com renda per capita na faixa dos 20% mais ricos do país. O índice é maior que o dobro da situação inversa: só 3,8% dos estudantes de famílias pobres estudam em escolas particulares. Na rede privada, 52,3% dos estudantes pertencem à faixa de renda mais rica.
Os dados integram a "Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2012", elaborada pelo IBGE. A base de dados do estudo foi a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), referente a 2011.
A síntese dividiu a população em cinco faixas de renda per capita. De acordo com os dados, no ensino médio da rede pública a distribuição é parecida nas quatro faixas de renda mais baixas: 22,4% na primeira; 26,7% na segunda; 23,1% na terceira; 19,2% na quarta, e 8,6% na quinta, das famílias mais ricas. A rede pública reúne 87% dos estudantes matriculados no ensino fundamental e no ensino médio.
Na rede particular do ensino médio, 3,8% são da primeira faixa, dos mais pobres; 7,5% pertencem a famílias da segunda faixa; 13,4% estão na faixa intermediária; 22% na quarta, e 53,2% dos estudantes estão na quinta, a faixa das famílias mais ricas. A rede particular atende 13% do total de estudantes matriculados no ensino fundamental e no ensino médio.
Da particular para a públicaO bom desempenho de estudantes de escolas públicas federais, técnicas e militares em exames como o Enem e vestibulares também atrai famílias com melhor condição financeira. Há cerca de dois anos, a estudante Ana Luiza de Deus Mendonça, de 17 anos, trocou um colégio particular da Região Nordeste de Belo Horizonte pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG), onde, segundo ela, encontrou um melhor preparo para a “vida adulta”, com o curso técnico de edificações.
Para Ana Luiza, faltava “alguma coisa” no colégio em que estudava. “Era muito dependente. Não dependia só de mim para as coisas acontecerem. Tinha sempre uma terceira pessoa para as coisas acontecerem no colégio. Se tivesse alguma reclamação, só a minha fala não servia. E eu acho que é assim em todo colégio particular”, disse.
A estudante do 2º ano do ensino médio contou que, do outro colégio, ficou somente a saudade das amigas. “Eu tenho tudo aqui, é só ir atrás.”
Para ela, a primeira impressão do Cefet foi “um choque”. “É completamente diferente. As pessoas, a mistura das pessoas. Cada uma das minhas amigas mora em uma cidade. Todo mundo muito diferente, o que acrescenta muito. Se conhece gente de tudo quanto é jeito. E o ensino é bem puxado. Acho que eu cresci mais aqui. Estou mais bem preparada para o mundo”, afirmou a estudante.
VestibulinhoRaíssa Simonetti de Oliveira, de 18 anos, que mora no bairro Jardim dos Comerciários, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte, está finalizando o 3º ano do ensino médio no Colégio Militar de Belo Horizonte e é um exemplo de dedicação aos estudos. Filha de professores, a jovem tem média 9,5 pontos em todas as 11 matérias que cursou neste ano.
Mesmo tendo condições financeiras e estando em escola particular, Raíssa, por escolha própria, preferiu ir para o colégio público e fez o concurso seletivo para ingressar na instituição. Ela disse que já conhecia o colégio porque a irmã já estudava nele.
Para conquistar a vaga, Raíssa fez um extensivo de março a dezembro e, além do Colégio Militar, conseguiu passar no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) e no Colégio Técnico da Universidade Federal de Minas Gerais (Coltec-UFMG).
E tanta dedicação aos estudos já rende resultados à jovem. Em 2011, quando cursava o 2º ano, ela conseguiu as melhores notas da classe e, por causa disso, conquistou o título de coronel-aluna, uma espécie de patente para valorizar e reconhecer o esforço dos alunos.
Para a mãe de Raíssa, Ana Maria Simonetti de Oliveira, de 45 anos, a seleção para entrar no colégio, a rigidez e a disciplina cobradas ajudam a manter a qualidade do ensino. “A formação dos professores e a qualificação deles contribuem como um todo para manter a estrutura do colégio”, opinou Ana Maria.
'Quero que meu filho brinque mais'No ensino fundamental, também da rede pública, 38% dos estudantes têm a menor faixa de renda familiar; 28,3% estão na segunda faixa; 18,2% estão na faixa intermediária; 11% estão na quarta faixa; e 4,5% dos estudantes são de famílias ricas.
A analista de mídias sociais Débora Domingues, de 30 anos, diz ter todas as condições de pagar uma boa escola particular para o filho João Pedro, de 4 anos. No entanto, ela matriculou o menino na Escola Municipal Manuel Bandeira, em Francisco Morato, na Grande São Paulo, onde mora. "Escola paga faz muita distinção de alunos, tem computador para criança pequena e ensinam coisas próprias para aquela faixa social. Se a criança vai brincar com um amigo que não está em escola paga acha estranho", avalia.
Débora diz que está gostando do comportamento do filho na pré-escola pública e que poderá mantê-lo no colégio quando João Pedro começar o ensino fundamental. "Acho importante que ele possa ter contato com as crianças mais carentes, brincar no chão com giz de cera, e não ter tantas obrigações e horários. Vejo crianças de quatro a seis anos que parecem adolescentes."
No ensino fundamental, de acordo com a pesquisa, a maioria dos alunos da rede particular está entre os mais ricos. A distribuição, segundo o estudo, é assim: 6,4% entre os mais pobres; 13,3% na segunda faixa; 16% na faixa intermediária; 21,7% na quarta faixa; e 42,6% entre os mais ricos.
DesigualdadeDe acordo com dados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), o Brasil é um dos 26 países analisados com maior desigualdade de desempenho entre o ensino público e o privado, ficando atrás apenas do Catar, Quirguistão e Panamá. As diferenças na condição socioeconômica dos alunos são os principais determinantes da variação de desempenho, segundo o levantamento.
A desigualdade entre os alunos dependendo da rede de ensino cursada aparece também nos resultados do Indíce de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2011. O Ideb, para as redes pública e particular, respectivamente, teve as seguintes notas: 4,7 e 6,5 nos anos iniciais do ensino fundamental; 3,9 e 6,0 nos anos finais do ensino fundamental; e 3,4 e 5,7 no ensino médio.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

PFC empata com Paragominas e dá adeus ao sonho da segunda fase

Mais uma vez a equipe do Parauapebas Esporte Clube (PFC) decepcionou a sua torcida em casa pelo Campeonato Paraense 2013, primeira fase. Na tarde do último sábado (24), o Parauapebas empatou em 2 a 2 diante da equipe do Paragominas, em partida válida pela terceira rodada da competição.
Com o resultado, o PFC deu adeus ao sonho de chegar à fase principal do Parazão 2013, com apenas dois pontos em três jogos, ocupando a quinta colocação na tabela. Mesmo com o empate, o time do Paragominas tem grandes chances de classificação à segunda fase do Parazão, mas tem que vencer as suas duas últimas partidas, diante do São Raimundo, de Santarém, e do Santa Cruz, de Salinas.
A partida deste final de semana teve dois tempos distintos, um para cada equipe. Na primeira etapa, o time do Paragominas dominou as ações da partida e poderia ter saído para o intervalo com uma vantagem numérica no placar. Já o Parauapebas, mais uma vez não conseguiu jogar bem, com muitos erros de passes e sem criatividade no meio campo. A chance mais clara de gol do Paragominas foi com o atacante Nenê Apeú. O PFC também teve uma chance com o atacante Cristiano Tiririca.
No segundo tempo, o jogo foi mais movimentado, principalmente quando o Paragominas abriu o placar, aos 12 minutos, com Aleílson, em jogada toda trabalhada pelo meia Michel, que fez um carnaval na defesa do Parauapebas.
O técnico Samuel Cândido colocou o atacante Maninho no lugar de Cristiano e Thiago Marabá no lugar de Jr. Chico. O gol de empate do PFC saiu de uma jogada individual de Maninho, que sofreu pênalti. O atacante Bruno cobrou e marcou, aos 21 minutos, e o torcedor fez a festa.
O gol da virada veio aos 25 minutos, novamente em jogada individual do atacante Maninho, que colocou a bola entre as pernas do zagueiro do Paragominas, que sobrou para o meia Fidélis, que dividiu com a defesa do Paragominas e marcou o segundo gol do PFC.
A torcida do PFC ainda comemorava nas arquibancadas, quando o Paragominas chegou ao empate, aos 27 minutos, com o atacante Tony Love, após jogada bem trabalhada pelo lado direito de ataque do Paragominas. Final de partida: Parauapebas, 2, Paragominas, 2.
Na próxima rodada, o Parauapebas vai até a cidade de Tucuruí enfrentar o Independente, às 17 horas. Já o Paragominas encara o São Raimundo, ás 20h30, na Arena Verde, em Paragominas.
Resultados da 3ª rodada
Santa Cruz 2 x 0 São Raimundo
Parauapebas 2 x 2 Paragominas
Independente 1 x 0 Castanhal
Confrontos pela 4ª rodada
Sábado (1º/12): Castanhal x Santa Cruz (15h30); Independente x Parauapebas (17 horas)/ e Paragominas x São Raimundo (20h30)

Classificação 1ª fase
1º - Santa Cruz: 9 pontos
2º - Paragominas: 7 pontos
3º - São Raimundo: 4 pontos
4º - Independente: 3 pontos
5º - Parauapebas: 2 pontos
6º - Castanhal: 0 ponto
 (Carlos Campos/Waldyr Silva)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Jakson Silva é eleito presidente da Subseção da OAB em Parauapebas

Com 69 votos conquistados nas urnas, contra 44 obtidos por seu concorrente, o advogado Jakson de Souza e Silva foi eleito nesta quarta-feira (21) presidente da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Parauapebas, para um mandato de três anos.

A escolha de nova diretoria da instituição, cujo pleito transcorreu durante todo o dia 21, ocorreu na sala da OAB instalada no Fórum de Justiça da cidade, Bairro Cidade Nova.

Dois candidatos concorreram ao pleito, para mandato de três anos, a partir de 1º de janeiro de 2013, que foram os advogados Jakson de Sousa e Silva, pela chapa “OAB por você”, e Rubens Morais Júnior, que encabeçou a chapa “Renova Ordem”.

LIMINAR
Na tarde de terça-feira (20), a advogada Maria Avelina Imbiriba Hesketh, candidata à presidência da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Pará, em Belém, entrou na Justiça com pedido de liminar para suspender simultaneamente por 72 horas a eleição da Seccional da OAB-PA e das subseccionais, sob a alegação de que a comissão eleitoral da entidade teria violado o Provimento 146/2011 do Conselho Federal, que regulamenta procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos para os cargos de conselheiros, para a diretoria do Conselho Federal, seccionais, subseções e diretoria das caixas de assistência dos advogados.

Ainda na terça-feira, o juiz Bruno Teixeira de Castro, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, chegou a conceder liminar suspendendo por 72 horas a eleição da Seccional da OAB do Pará e em todas as subseccionais do interior do estado.

Mas, de acordo com os candidatos de Parauapebas, advogados Jakson Silva e Rubens Júnior, a liminar foi suspensa na manhã de quarta-feira (21), a tempo de as comissões eleitorais da Subseção da OAB-PA, em Belém, e das subseccionais, no interior do estado, se mobilizar e realizar o pleito, que estava marcado para esta quarta-feira (21).

Conforme apurou a reportagem, a Subseção da OAB em Parauapebas agrega mais de 200 advogados que prestam serviço nos municípios de Parauapebas, Canaã dos Carajás, Curionópolis e Eldorado do Carajás, mas apenas 116 deles estavam aptos para votar na escolha dos novos membros da entidade, para um mandato de três anos. (Waldyr Silva)

Município de Parauapebas recebe Selo Unicef


Mais de 1,8 mil municípios brasileiros do nordeste e da Amazônia foram inscritos na Edição 2009-2012 do “Selo Unicef Município Aprovado”, que é um reconhecimento internacional concedido às cidades que alcançam significativas melhorias na qualidade de vida de crianças e adolescentes. No Pará, apenas 18 municípios foram contemplados, entre eles Parauapebas, que vai recebê-lo no dia 29 deste mês, em Brasília. Uma vitória que foi comemorada pelos vereadores na última sessão da Câmara Municipal.
Para obter o Selo, os participantes firmam um acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), onde se comprometem a planejar e desenvolver ações no intuito de alcançar resultados concretos para beneficiar crianças e adolescentes nas áreas da saúde, educação e proteção, e de desenvolver e adotar, na gestão municipal, políticas públicas e programas sociais mais efetivos, com participação da comunidade e de Organizações Não Governamentais – ONGs. A UNICEF monitora e avalia o desempenho dos municípios, a partir de um conjunto de indicadores sociais.
Ao fazer uso da tribuna, o vereador Euzébio Rodrigues, do PT, destacou a importância desse selo para Parauapebas, e explicou o que o recebimento dele significa para a cidade. “Qualquer empresa ou instituição, seja pública ou privada, que queira fazer investimentos em projetos voltados para crianças e adolescentes em Parauapebas terá garantia de retorno. Trata-se de um reconhecimento internacional muito importante para o país e para nossa cidade”. O parlamentar agradeceu ainda a todas as pessoas que colaboram para que o município alcançasse essa vitória.
Odilon Rocha, do PMDB, também parabenizou as pessoas e entidades diretamente envolvidas nos projetos avaliados pela Unicef. ONGs, Conselho Tutelar e Secretaria Municipal de Assistência Social. “Os programas desenvolvidos pelo município propiciaram esse reconhecimento que vai facilitar o recebimento de mais recursos, para que nossa cidade possa melhorar ainda mais. O que nós esperamos são mais ações, pois quando se faz algo bom, não é um favor, é uma obrigação”.
Dia da Consciência Negra
Outro assunto lembrado pelos vereadores nessa terça-feira, foi o Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro. Wolner Wagner ressaltou que essa é uma data para incentivar o debate sobre a igualdade e acabar com o preconceito.
Miquinha, do PT, observou que muitas conquistas já foram alcançadas, mas ainda falta muito para que a discriminação acabe. “Os negros já sofreram muito e ainda enfrentam dificuldades para ter seu espaço, precisamos acabar com isso. As mudanças acontecem a partir da reflexão, que é o primeiro passo para a ação”.
Para Adelson Fernandes, do PDT, todo dia é dia da consciência negra. “Mas, 20 de novembro é o dia de refletir, analisar, avaliar e propor os avanços que devem acontecer em relação ao combate a discriminação racial. Esse pais e toda sociedade que tem compromisso com o avanço, não podem pensar em um pais igualitário enquanto o branco, o preto, o amarelo e o índio não tiverem direitos iguais. É importante que todo cidadão tenha a consciência de que somos iguais, independente da cor e da raça”.
Requerimentos
Pavimentação asfáltica, esse foi o objeto dos dois requerimentos apresentados e aprovados na última sessão, ambos de autoria do vereador Odilon Rocha.
No primeiro, nº 101/2012, o parlamentar solicita, em caráter emergencial, o asfaltamento da Rua Santa Luzia, no Bairro Rio Verde. No segundo, N°102/2012, é pedido asfalto para as ruas Mangueira II e Cruzeiro, esquina com Ayrton Senna, com término no morro e também da Vasco da Gama, Rui Barbosa e São Caetano, no Bairro Nova Vida.
As solicitações seguem para a Secretaria Municipal de Obras. (Nayara Cristina/Ascom-CMP)

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Pai de aluno denuncia falta de carteiras para canhotos em escola


O técnico de segurança do trabalho Eric da Costa Lourinho, 33 anos, residente na Rua Q, Bairro União, Parauapebas, procurou esta semana a redação da Sucursal do Jornal CORREIO DO TOCANTINS em Parauapebas para denunciar que a escola municipal Cecília Meireles não disponibiliza carteiras para estudantes que usam a mão esquerda para escrever.
Na redação do Jornal, Eric Lourinho contou que tem um filho de 7 anos de idade que estuda na referida escola, e por falta de carteira adaptada para canhoto o estudante é obrigado a colocar outra carteira do lado esquerdo para poder fazer as anotações ditadas ou escritas no quadro pelo professor.
Por causa desta situação, o técnico de segurança explica que o filho dele se posiciona de uma forma inadequada na carteira, ocasionando uma postura de desgaste prematuro das potencialidades físicas do estudante.
Procurado pela Reportagem, o diretor da escola Cecília Meireles, prof. Carlos Tavares, confirmou a falta de carteira para alunos canhotos no estabelecimento educacional, mas já estaria resolvendo o problema denunciado pelo pai do aluno.
Segundo afirmou o diretor da escola, ele já foi pessoalmente ao almoxarifado da Secretaria Municipal de Educação (Semed) solicitar 10 carteiras para canhotos, mas, em virtude de a Semed estar priorizando a entrega de notebooks para milhares de alunos do município, ocorreu atraso na entrega das carteiras, que devem chegar à escola até esta quinta-feira (22). (Waldyr Silva)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Governador entrega carta constitutiva a Lions Clube de Parauapebas



Num roteiro de viagem à região que incluiu visita aos clubes de Marabá, Parauapebas e Itupiranga, o governador do Distrito LA6 do Lions Clube Internacional, Antonio Massoud Salame, acompanhado da esposa Sílvia Helena Salame, entregou à diretoria e membros do Lions Clube de Parauapebas Centro carta constitutiva e estatuto do recém-fundado clube de serviços na cidade, além de pin (broche ou distintivo), certificado e outros materiais aos novos sócios da instituição.
A solenidade, que contou com a presença de representantes de clubes de Marabá e de associados do clube local, ocorreu à noite da última sexta-feira (16) numa sala da escola Eunice Moreira, no Bairro Vila Rica, Parauapebas.
Além da entrega de documentos e materiais que oficializam a criação do Lions Clube em Parauapebas, fundado em 26 de maio deste ano, a cerimônia serviu também para apresentar aos demais sócios do clube o novo presidente da instituição local, Francisco James Canário dos Santos, conhecido por “Frank James”, que assumiu a função no último dia 10 em substituição a Marcos Rocha, que renunciou ao cargo.
Após os rituais de praxe em reuniões de Lions Clube, o presidente Frank James passou a palavra ao governador Antonio Salame, que por sua vez fez um breve relato sobre a atuação dos clubes de Lions espalhados em mais de 200 países em todos os continentes da terra, prestando os mais variados serviços voluntários de assistência social a milhares de pessoas carentes.
Em seguida, Antonio Salame oficializou a entrega da carta constitutiva (espécie de certidão de nascimento), estatuto e outros materiais de expediente ao presidente do Lions Clube de Parauapebas Centro, Frank James, que por seu turno agradeceu ao governador e conclamou a todos os associados da entidade local a fazerem do clube um dos mais atuantes da região na prestação de serviços às famílias carentes do município.
Dando prosseguimento à programação da solenidade, Frank James fez a chamada nominal dos membros do Lions Clube de Parauapebas e entregou pin, certificado, adesivo e outros documentos a cada um dos associados presentes, recomendando o uso diário do pin na lapela da blusa ou do paletó como um tipo de identificação do “leão” no meio da sociedade.
Por último, foi dado espaço para quem quisesse usar a palavra e em seguida o presidente anfitrião ofereceu jantar para todos os presentes, acompanhado de descontração e divertimento entre “leões”, “domadoras” e companheiros e companheiras de Lions Clube Internacional.
Em breves palavras concedidas à reportagem do CORREIO DO TOCANTINS, o governador Antonio Salame, a governatriz Sílvia Salame, o presidente Frank James e o assessor Martinho Frazão “Costinha” comentaram sobre a solenidade, desejando à nova instituição instalada na cidade a execução de bons serviços em favor das pessoas mais carentes.
SEGUNDO CLUBE
O Lions Clube de Parauapebas Centro não é o primeiro de Lions a ser instalado na cidade. Em 11 de abril de 2003, foi criado no município o Lions Clube Parauapebas Novo Milênio, com entrega inclusive de carta constitutiva, com presença de governador da época, mas a instituição não conseguiu funcionar e foi extinta meses depois. (Waldyr Silva)

domingo, 18 de novembro de 2012

Trabalhadores interditam portaria de acesso a Carajás


Centenas de trabalhadores do Consórcio Multserv, que presta serviço para a mineradora Vale, interditaram no início do dia de ontem (sexta-feira) a portaria de acesso a Carajás, em Parauapebas, provocando grandes filas de veículos, a maioria formada por ônibus que transportam operários prestadores de serviço nas minas de Carajás, além de proporcionar grandes engarrafamentos no centro da cidade, em razão da quantidade de carros estacionados ao longo das ruas E e F e rodovia PA 275.
Esta não foi a primeira vez que operários interditam a portaria de acesso a Carajás, reivindicando melhorias trabalhistas e provocando transtornos para quem quer subir ou descer a serra, e aborrecimentos a quem mora na cidade e precisa se deslocar para outros bairros.
No dia 2 de março deste ano, trabalhadores do Consórcio Camter Paranasa, que presta serviço para a mineradora Vale, realizaram, no período das 6 às 9 horas, manifestação e interditaram a portaria que dá acesso à Serra de Carajás, para protestar contra a falta de pagamento do salário e de horas extras.
Em 4 de junho, operários que trabalham na empresa Consórcio Nova Usina fizeram protesto semelhante, exigindo melhorias no plano de saúde e na cesta básica, aumento de hora in itineres (percurso em que os operários ficam em ônibus entre a residência e o local de trabalho, em Carajás), melhores condições de trabalho, reajuste no salário base da categoria, entre outros itens.
Vinte dias depois, portanto, dia 14/06/12, a interdição da portaria de acesso a Carajás foi liderada por trabalhadores da empresa UTC Engenharia, que exigiam dos patrões a mesma pauta apresentada pelos funcionários do Consórcio Nova Usina.
Na interdição desta sexta-feira (16), das 6 às 10h40 da manhã, de acordo com a trabalhadora Ildene dos Anjos Almeida, os operários exigiam reajuste de R$ 115,00 para R$ 300,00 de cesta básica, plano de saúde integral para os dependentes dos trabalhadores e pagamento das horas in itineres.
O trabalhador Leones Paz Cravo acrescenta que a categoria está reivindicando, também, reajuste do salário-base dos atuais R$ 659,00 para R$ 1.000,00, entre outras vantagens sociais.
Um batalhão da Polícia Militar, sob o comando do capitão Aquino, foi chamado ao local para convencer aos trabalhadores a desobstruírem o bloqueio e liberar o tráfego dos veículos nos dois sentidos.
Enquanto os trabalhadores ouviam o oficial da PM, representantes do Consórcio Multserv e do sindicato da categoria, numa sala a portas fechadas, prometeram atender parte da reivindicação, a partir desta segunda-feira (19), mas os manifestantes teriam que liberar o tráfego e seguirem para seus postos de serviço. Mesmo desconfiando da promessa, a proposta foi aceita pelos trabalhadores. (Waldyr Silva)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Juiz diploma eleitos da 75ª ZE nos dias 12 e 13 de dezembro

O juiz Líbio Araujo Moura, titular da 75ª Zona Eleitoral, que abrange os municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás, revelou à reportagem que a diplomação dos candidatos eleitos no último dia 7 de outubro será realizada nos dias 12 e 13 de dezembro, respectivamente nas cidades de Canaã dos Carajás e Parauapebas, em locais ainda a ser definidos.
Em Parauapebas, a previsão é que o ato solene de diplomação dos 15 vereadores, do prefeito Valmir Queiroz Mariano e da vice-prefeita Maria Ângela ocorra nas instalações do novo prédio da Câmara Municipal, no Bairro Beira Rio II, que devem ser inauguradas na próxima terça-feira (20), mas isto ainda não está decidido.
A última diplomação de prefeitos, vice e de vereadores de Parauapebas e Canaã dos Carajás, ocorrida em dezembro de 2008, foi presidida pela então juíza eleitoral Eline Salgado num espaço pequeno do Cartório Eleitoral que mal cabiam os eleitos e os serventuários da Justiça Eleitoral.
Naquela época, a cerimônia aconteceu em dois momentos, tendo o prefeito reeleito Darci José Lermen, o vice Afonso Araújo e os vereadores primeiro ouvido os pronunciamentos e conselhos da juíza, e depois a participação da imprensa para registrar o momento. O mesmo ato foi feito com os candidatos eleitos de Canaã dos Carajás.
Questionado sobre eventuais pendências de julgamentos a serem apreciados, o juiz eleitoral respondeu que até o momento não existe nenhuma contestação grave com relação aos nomes anunciados pela Justiça Eleitoral que possa alterar o quadro dos eleitos.
Assim, deverão ser diplomados em Parauapebas no dia 13 o prefeito Valmir Queiroz Mariano (PSD), sua vice Maria Ângela (PTB) e os vereadores José Arenes, Israel Miquinha, Euzébio Rodrigues e Eliene Sousa, pelo PT; Devanir Martins, Bruno Soares e João do Feijão, pelo PP; Maridé Gomes (PSC), Odilon Rocha (PMDB), Ivanildo Braz (PDT), Francisco Pavão (PTB). Major da Mactra (PSDB), Irmã Luzinete (PV), Josineto Oliveira (PSDC) e Charles Borges (PSD).
Já em Canaã dos Carajás, no dia 12 de dezembro, serão diplomados o prefeito Jeová Andrade (PMDB), seu vice Alexandre Pereira e os vereadores Wilson do Líder, Walter Diniz e Josenilton Ribita, do PMDB; Dionízio Coutinho e Ailson da White, do PSC; Jean Carlos e Elio do Líder, do PDT; Ademirson Chefinho (PP), Júnior Garra (PR), João do Caminhão (PSDB) e João Batista (PT).
Com a entrega dos diplomas aos eleitos, o juiz Líbio Moura termina sua participação no processo eleitoral que indicou os novos governantes que irão comandar os destinos das duas cidades por quatro anos.
Os eleitos, depois de diplomados, estarão aptos para tomar posse em seus cargos, a partir do dia 1º de janeiro de 2013, quando iniciam os mandatos dos poderes Executivo e Legislativo. (Waldyr Silva)

Contrato entre PMP e BB visa construir 1.194 casas populares

Representantes do Banco do Brasil e da Prefeitura de Parauapebas celebraram convênio na última terça-feira (13) para a construção de 1.194 unidades habitacionais na cidade, com recursos oriundos do programa Minha Casa, Minha Vida, desenvolvido pelo governo federal.
A solenidade de assinatura do convênio contou com as presenças do prefeito Darci Lermen, do secretário municipal de Habitação, Antonio Neto; do gerente geral do Banco do Brasil de Parauapebas, Guido Getting; e do proprietário da empresa CTC Construtora, Darlen Carvalho. Logo após a assinatura, os representantes das instituições envolvidas visitaram a área onde serão construídos os imóveis.
Na oportunidade, foi revelado que a empresa CTC foi contratada pelo Banco do Brasil para executar a construção das quase 1.200 casas pelo valor de R$ 71.640.000,00. A previsão é que as obras iniciem dentro de 60 dias e a conclusão ocorra em 18 meses.
“Fico muito lisonjeado pelo Banco do Brasil ter firmado essa parceria neste grande projeto habitacional e que também é de extrema relevância para a população de Parauapebas, que vem crescendo absurdamente a cada dia”, declarou Guido Getting.
PÚBLICO-ALVO
Para se enquadrar ao programa, a família tem que ter renda mensal bruta de até R$ 1.600,00, cujo investimento terá parcelamento em 120 meses e mensalidade inicial de 10% da renda familiar bruta, não podendo ser inferior a R$ 50,00. Em Parauapebas, serão usados cinco critérios de seleção: dois nacionais e três locais.
Os critérios nacionais beneficiam famílias residentes na cidade ou que tenham sido desabrigadas de áreas de risco ou insalubres, e famílias com mulheres responsáveis pela unidade familiar. Já os critérios locais exigem que o candidato resida no município há pelo menos três anos; famílias constituídas com filhos em idade inferior a 18 anos sob sua guarda e tutela, priorizando as com maior número de filhos; avós com guarda e tutela de netos com idade inferior a 18 anos, priorizando aqueles com maior número de netos.
Durante a seleção dos beneficiados inscritos, será analisado cadastro por cadastro e selecionadas àquelas famílias que mais necessitam do apoio público para moradia. (Ascom PMP/Waldyr Silva)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Noite de autógrafos com escritora Terezinha Guimarães

A escritora Terezinha Guimarães lançou mais dois livros de sua autoria, sendo prestigiada por um grande público. A noite de autógrafo, que contou também com exposição de pinturas desenvolvidas por artistas da terra e fotos históricas de Parauapebas produzidas pelo engenheiro Breno Monteiro, descobridor e desbravador de Carajás, para instalação do projeto de exploração de minério feito pela Vale, ocorreu na última sexta-feira (9), no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC), em Parauapebas.
Desta vez, as obras lançadas pela escritora foram os livros “Dra. Jane, redescobrindo o amor” (romance) e “O casamento na floresta” (infantil). Ao todo, o acervo da obra da autora soma oito livros já lançados.
Terezinha Guimarães, que possui cadeira na Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense, tem desenvolvido um intenso trabalho na área literária e sempre lança um novo título, mostrando sua versatilidade em desenvolver trabalho em diversas áreas, como infantil e de autoajuda.
A participação da escritora na vida cultural de Parauapebas é intensa e recebe apoio de vários segmentos. Na noite de autógrafos, um grande número de personalidades importantes do município compareceu ao CDC, além de admiradores que foram prestigiar o último trabalho produzido pela escritora.
A noite de autógrafos de Terezinha Guimarães, com mais o grande acervo cultural mostrado no local com quadro e fotos, dá mostra de um novo tempo que está surgindo na cidade, com a valorização de segmentos que precisam ser prestigiados por todos, graças à sua importância para a formação da juventude local.
Acompanhada do marido Sinvaldo Guimarães e dos filhos, Terezinha autografou livros adquiridos naquele momento e fez questão de receber e agradecer a presença dos convidados, que foram brindados com coquetel e música ao vivo, com repertório variado, dentro da melhor seleção cultural.
À reportagem, Terezinha Guimarães se disse surpresa com a receptividade que teve no evento, e prometeu escrever novas obras, sempre priorizando temas de valorização da família. (Waldyr Silva)

Membros da Academia de Letras homenageiam ‘imortal’ falecido


O escritor piauiense Pedro Cláudio Reis, conhecido por “PC”, foi alvo de homenagem póstuma na última sexta-feira (9), na Câmara Municipal de Parauapebas, em cerimônia programada pela Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense, com sede em Marabá.
PC Reis, que faleceu em Parauapebas no dia 14 de junho de 2011, vítima de consequência de acidente vascular cerebral (AVC), era membro da Academia e agora pela passagem de mais de um ano de seu falecimento os seus companheiros lhes prestaram esta justa homenagem, em virtude dos relevantes serviços prestados dentro do cenário cultural do país, onde diversas obras desenvolvidas pelo imortal ficaram para a posteridade.
A solenidade em homenagem a PC foi simples e contou com pronunciamentos feitos por colegas, amigos e parentes do falecido, que fizeram um resgate de sua história nos seus mais de 80 anos de vida, onde deixou, além de uma família totalmente formada em cursos superiores, muitos livros e páginas escritas com histórias sobre vida e fatos importantes de personagens e locais comuns existentes no país.
A solenidade na Câmara Municipal foi dirigida pelo presidente da academia imortal, Eduardo Castro, e contou com as presenças de escritores como Jorge Washington, Noé von Atzingen, Airton Souza, Terezinha Guimarães, Renivan Reis, Helena Dalva, José Carvalho e João Brasil, além de jornalistas, blogueiros, comunicadores e parentes, todos admiradores do escritor.
Para falar sobre PC Reis na Academia de Letras, fez pronunciamento o escritor Jorge Washington, enquanto o jornalista Marcel Nogueira falou sobre o comportamento simples de PC no seu dia a dia.
O médico oftalmologista Hipólito Reis, filho do falecido, foi o último orador que, depois de mostrar algumas pérolas e exemplos deixados por seu pai, agradeceu a presença de todos, mostrando que PC nos deixou, mas a sua presença ficou marcada no coração de todos que o conheceram e tiveram o privilégio de com ele conviver. (Waldyr Silva)

sábado, 10 de novembro de 2012

Comunidade volta a interditar via pública com fogo

Pela segunda vez consecutiva nesta semana em Parauapebas, um grupo de moradores voltou a atear fogo no meio da rua nesta sexta-feira (9), desta vez na esquina das ruas São Francisco e Marabá, no Bairro da Paz. reivindicando energia elétrica e água tratada. Na segunda-feira desta semana, o protesto com queima de pneus velhos ocorreu na Rua do Comércio, Bairro Rio Verde.
Na manifestação de ontem (9), os populares, em protesto com as constantes faltas de água e energia elétrica, utilizaram geladeiras e outros eletrodomésticos e atearam fogo no meio da rua, impedindo o tráfego de veículos e de pessoas pelo local.
Para o morador Wanderson Araújo, residente na Rua São Francisco, as eventuais suspensões de energia e falta de água nas torneiras vêm causando muitos transtornos às famílias que moram naquelas proximidades, e por isso a comunidade resolveu fazer mais um protesto na cidade, para chamar a atenção dos setores responsáveis pela prestação dos serviços reclamados.
“O que deixa os consumidores mais zangados é quando as contas de luz e de água chegam pra gente pagar, sem nenhum desconto dos dias que não tivemos os serviços”, enfatiza o pai de família.
Outro morador ouvido pela reportagem é Genedir Chagas Feitosa, residente também na Rua São Francisco, segundo o qual a água só aparece na casa dele pela madrugada, e ainda por cima, muito fraca, sem capacidade de subir à caixa, além da falta de energia no perímetro.
“O pessoal da Celpa já veio aqui várias vezes, analisou a fiação e os transformadores, mas a situação ficou do mesmo jeito, porque até hoje os cortes de energias continuam acontecendo no bairro”, lamenta Genedir Chagas.
A reportagem esteve no escritório da Celpa no Bairro Cidade Nova para falar sobre o assunto, mas foi informada por um guarda de segurança, cujo nome não quis revelar, que o gerente não se encontrava no local para atender à equipe. (Ronaldo Modesto/Waldyr Silva)

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Candidato lança chapa para concorrer à direção da OAB

Acompanhado de membros que compõem a chapa denominada “OAB por você”, o advogado Jakson de Souza e Silva apresentou na noite de quinta-feira (8), no Espaço de Eventos Mariles, suas propostas de campanha visando a presidência da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Parauapebas, cujas eleições estão marcadas para o dia 21 de novembro, no Fórum de Justiça do município.
Jakson Silva já foi presidente da Subseção da OAB em Parauapebas, no mandato de 2007 a 2009, e agora concorre ao segundo mandato, apresentando propostas inovadoras para melhoria da classe em Parauapebas e região, entre estas a construção de sede própria da instituição.
Além de Jakson Silva, que encabeça a chapa, os demais membros que concorrem à nova diretoria da Subseção da OAB na chapa “OAB por você” são os advogados Deivid Benasor (vice-presidente), Daniela Barcelos (secretária), Josemira Gadelha (tesoureira) e Marcelo Milech (secretário adjunto), além das comissões de diretoria.
Revelando que hoje a instituição local conta com 215 advogados filiados (Parauapebas, Canaã dos Carajás, Curionópolis e Eldorado do Carajás), o candidato Jakson Silva apresentou uma a uma suas propostas de campanha, assegurando aos presentes, durante coquetel de apresentação da chapa, que suas propostas visam o bem-estar de todos os membros da Seccional da OAB em Parauapebas.
Após a solenidade, Jakson Silva fez um resumo de suas propostas de campanha à reportagem, destacando os pilares e eixos propostos pela chapa “OAB por você”, entre estes, gestão participativa e descentralizada, eficiência e luta pela autonomia da Subseção local da OAB, defesa intransigente das prerrogativas do advogado e dos direitos da instituição, criação e efetivação das comissões, além da construção da sede da instituição.
“Não tenho dúvidas que nossas propostas são as melhores para o crescimento tanto da Subseção da OAB em Parauapebas quanto dos nossos colegas advogados”, defendeu Jakson Silva, lembrando que outra chapa concorre também à presidência da entidade.
Presente ao evento, o atual presidente da Subseção da OAB local, advogado Ademir Donizete Fernandes, cujo mandato de três anos encerra no dia 31 de dezembro deste ano, frisou que as duas chapas (a outra é encabeçada pelo advogado Rubens) que concorrem à presidência da OAB local apresentam boas propostas em prol da melhoria da instituição e de seus associados. (Waldyr Silva)

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Escritora lança dois livros em Parauapebas

Completando agora a autoria de oito obras escritas, Terezinha Guimarães, residente em Parauapebas e membro da Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense, com sede em Marabá, lança nesta sexta-feira (9), a partir das 20 horas no espaço de eventos do Centro de Desenvolvimento Cultural de Parauapebas (CDC), os livros “Dra. Jane, redescobrindo o amor” (romance) e “O casamento na floresta” (infantil).
Destacando a frase de Paulo Freire, de que “a educação sozinha não muda a sociedade, e sem ela tão pouco a sociedade muda”, Terezinha Guimarães justificou à reportagem que, olhando para estas vertentes e por entender que a vida pede abraços, sorrisos, um aperto de mão que seja, ela decidiu tecer uma comunicação através da escrita, utilizando a ficção, para tratar de fatos da realidade e falar da importância dos valores éticos, morais e da necessidade de contribuir por um mundo melhor.
Indagada sobre o conteúdo do romance “Dra. Jane, redescobrindo o amor” (134 páginas), a autora explica que a obra fala do processo de educação dos filhos, excesso de liberdade, envolvimento com drogas, competição, traição, violência física e psicológica, e um grande amor..., “um relacionamento conturbado entre marido e mulher, com um enorme desejo de superação de Dra, Jane para salvar a família”.
Com relação à obra infantil “O casamento na floresta” (20 páginas), Terezinha Guimarães adianta que o livreto promove um diálogo sobre o desmatamento da floresta e a união dos animais na luta pela sobrevivência, “uma parábola que retrata a realidade que infelizmente sofremos com os danos causados na natureza”.
Formada em Pedagogia, especialista em Saúde e Ciência Socioambiental e Saúde Pública, e atualmente fazendo especialização em Psicanálise, a escritora Terezinha Guimarães não se define como intelectual e nem tampouco uma desconhecedora do quanto o estudo pode elevar as pessoas.
“Precisamos aproveitar as oportunidades e fazer com que os ventos e as ondas estejam sempre em nosso favor, pois o ‘pior naufrágio é aquele que não saiu do porto’. Mas, como disse Sócrates, ‘eu não posso ensinar nada a ninguém, mas eu posso fazê-lo pensar’..., porque estou convencida que só perdemos a liberdade quando os erros e a culpa tomem o lugar da solidariedade e do amor”, defende Terezinha Guimarães.
PROGRAMAÇÃO
Dentro da programação cultural deste final de semana em Parauapebas, às 16 horas de amanhã (sexta-feira), na Câmara Municipal, membros da Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense estarão fazendo uma homenagem póstuma ao escritor e cronista Pedro Cláudio Reis, o popular "PC", que faleceu no dia 14 de junho de 2011, vítima de consequência de AVC.
No dia seguinte, sábado (10), a partir das 16 horas, escritores da cidade e da região fazem mostra cultural de suas obras no UniqueShopping Parauapebas, uma iniciativa, também, da Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense. (Waldyr Silva)

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Médicos do HMP reclamam que estão há 60 dias sem receber salário

Falando em nome da categoria, o médico Bento Torres Pinto, lotado no Hospital Municipal de Parauapebas (HMP), denunciou na quinta-feira (01) à reportagem que os profissionais que prestam serviços naquela casa de saúde pública estão há dois meses sem receber o salário.
“Por causa disso, estamos com o pagamento das prestações de carro e da faculdade dos filhos atrasado, com nossos nomes inclusos no Serasa, além da falta de pagamento de luz elétrica e de telefone, ameaçados de ter os serviços cortados”, reclama “Dr. Bento”, como é conhecido na cidade há mais de 20 anos.
Perguntado qual a causa que vem motivando o atraso no acerto dos salários dos profissionais de saúde, Bento Pinto respondeu que todo esse transtorno vem ocorrendo após o encerramento do contrato da Oscip Bem Viver com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Ele explica que a Bem Viver, até setembro último, vinha administrando o hospital municipal, inclusive fazendo o pagamento dos salários de todo pessoal lotado na casa de saúde pública do município.
“Depois que o contrato da Bem Viver com a Semsa foi rescindido, fomos prejudicados, porque não pagaram mais nosso salário, não sabemos quando ou se vamos receber, e, para piorar a situação, não sabemos nem para quem estamos trabalhando hoje”, lamenta “Dr. Bento”.
Por causa de todos esses problemas, segundo informou Bento Pinto, os médicos e alguns enfermeiros do HMP decidiram fazer uma espécie de “greve branca”, atendendo apenas os casos de urgência e emergência na unidade de saúde, “até que nossos salários sejam pagos e a situação de instabilidade se normalize em nosso local de trabalho”.
“O secretário de Saúde andou dizendo nos jornais e televisão da cidade que está tudo normal aqui no hospital municipal, mas isso não é verdade, porque a Oscip está pregando um calote tanto nos profissionais de saúde quanto nos fornecedores de material hospitalar”, denuncia “Dr. Bento”, adicionando que os médicos e enfermeiros estão se mobilizando para acionar o sindicato da categoria, ou mesmo o Ministério Público, para que estes tomem as devidas providências para solucionar o problema.
Reconhecendo que os médicos não podem deflagrar greve em 100%, “Dr. Bento” pede desculpa à sociedade, pelo fato de eles virem atendendo apenas casos de urgência e emergência, e sugere que a comunidade, que também vem sendo prejudicada com a falta de atendimento de consultas médicas, pressione a administração pública municipal para normalização dos serviços de saúde.
Na Secretaria Municipal de Saúde, na ausência do titular da pasta, a assessora de comunicação Maria José Monteiro admitiu o atraso no pagamento do salário dos médicos e demais profissionais de saúde do HMP, atribuindo esta falta de responsabilidade à Oscip Bem Viver, uma vez que a Semsa já teria feito os repasses para pagamento de funcionários e de fornecedores.
Mesmo assim, a secretaria estava buscando uma solução urgente para, junto com a própria Bem Viver, resolver a pendência até a semana que se inicia. A reportagem procurou representante da Oscip para falar sobre o assunto, mas não encontrou ninguém na cidade. (Waldyr Silva)

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Comunidade do Contestado se mobiliza para emancipar região

Representantes das diversas comunidades da área conhecida por Região do Contestado, localizada em território do município de Marabá, na margem direita do Rio Itacaiúnas, iniciaram na última quinta-feira (01) à noite, numa reunião no Centro Universitário de Parauapebas (Ceup), um movimento separatista para emancipar a região.
Coordenada pelo professor Francisco Serrano, a primeira reunião do movimento emancipatório teve como objetivo consultar as lideranças das vilas localizadas na região se todas são a favor de encetar um movimento visando o desmembramento da região do território de Marabá e tornar-se município independente.
Como a maioria dos presentes na reunião acenou a favor do movimento, Francisco Serrano explicou sobre os passos que deverão ser tomados daqui para frente, iniciando com a criação de uma comissão que fará a coordenação das ações a serem tomadas.
Segundo foi explicado no primeiro encontro, a comissão, que deverá ser formada na próxima reunião a ser realizada nas vilas Alto Bonito (manhã) e Albany (tarde) do dia 11 do corrente, ficará responsável para iniciar a coleta de assinaturas de todos os moradores da região que estejam interessados em lutar pela emancipação da área.
Cabe ainda à comissão solicitar apoio de órgãos ou entidades para elaboração de estudo socioeconômico da região que revele as potencialidades da área, sua população, eleitores, pecuária, agricultura, mineração, entre outras informações.
De posse de estudo levantado da região que justifique a criação de um novo município, o movimento pretende organizar uma audiência pública em Marabá para tentar convencer os poderes Executivo e Legislativo a criarem uma lei, junto ao Tribunal Regional Eleitoral, autorizando plebiscito para os moradores da Região do Contestado votarem se querem ou não a emancipação da aérea em questão.
Conforme foi informado na reunião, a Região do Contestado hoje conta com cerca de 35 mil habitantes espalhados em 27 projetos de assentamento e vilas, quinze mil eleitores e 3.870 estudantes. Além disso, a região produz 80% dos alimentos comercializados em feiras e supermercados de Parauapebas.
O principal motivo alegado pelos representantes de vilas e assentamentos do Contestado, para fazer da região um município independente, é que os moradores não são atendidos com benfeitorias pelo município de Marabá, fato que obriga a comunidade a buscar apoio da Prefeitura de Parauapebas, cuja sede fica mais próxima da região. (Waldyr Silva)

Sessão na nova Câmara de Vereadores poderá ocorrer no dia 20

Se depender do presidente do Poder Legislativo de Parauapebas, vereador José Alves (PT), a primeira sessão ordinária a ser realizada no novo prédio da Câmara de Vereadores, construída no Bairro Beira Rio II, deverá acontecer no próximo dia 20.
Segundo o presidente da Mesa Diretora da Câmara. o único inconveniente que está atrapalhando o funcionamento da Casa no novo local é o processo de sonorização, que não está totalmente instalado dentro dos padrões que foi convencionado.
O novo sistema de som do Legislativo é dos mais modernos e por isso sua instalação obedece a uma linha técnica altamente elevada, com aparelhagem especial que até agora não está totalmente instalada e com pleno funcionamento. Caso a sonorização não esteja com funcionamento pleno até a data, uma sonorização provisória deverá ser colocada para a realização das sessões.
Inauguração
A Câmara Municipal deverá funcionar no novo local a partir da data acima, mas a sua inauguração oficial deverá ocorrer posteriormente, quando tudo estiver totalmente pronto e funcionando.
O vereador Zé Alves lembra que o prédio da Câmara Municipal é uma obra suntuosa com muito conforto e espaço para atender funcionários e vereadores, pois cada gabinete oferece toda comodidade que o edil precisa para executar o seu trabalho. Com dois salões para reunião ordinária e salas para funcionamento das comissões, o prédio de dois pavimentos conta com todas as instalações necessárias para abrigar todo o funcionalismo.
A obra foi oficialmente iniciada ainda no mandato do presidente Adelson Fernandes (PDT) em dezembro de 2010, quando antes de entregar a Casa para a nova presidência, em cerimônia oficial, fez o lançamento da pedra fundamental e assinou a autorização para que a empresa vencedora da licitação iniciasse os trabalhos.
Marcada para ser realizada em 12 meses, a obra foi desenvolvida em ritmo acelerado dentro do mandato do presidente Euzébio Rodrigues em 2011, e entrou para o mandato de Zé Alves, no decorrer de 2012, sofrendo diversos atrasos, principalmente em função da falta de material vindo de fora, para conclusão de algumas etapas, como esta da sonorização. (Zinho Bento/Waldyr Silva)

COLUNA DO LOURINHO

A educação precisa ser humanizada em Parauapebas

Certa vez, fui ao colégio em que meu filho estuda. Ao chegar à sala de aula, percebi o que nunca havia observado nas numerosas vezes em que fui buscá-lo. Ele se posiciona de uma forma inadequada na carteira para escrever, pelo fato de ele ser canhoto e a instituição educacional só possui cadeiras para destro. Esse tipo de postura provoca um desgaste prematuro de suas potencialidades.

Diante do que observei, me dirigi à direção do colégio para questionar o agravante. Segundo a direção da escola, já havia emitido um requerimento junto à Secretaria de Educação para regularizar a situação, mas isso já faz um mês, e acredito que o ano letivo vai findar e esse desconforto vai permanecer. Isso para mim configura exclusão social.

Diante dessa ocorrência, pergunto aonde voga no governo municipal o Estatuto da Criança, na displicência e no descaso de seu exercício. E o representante do Poder Executivo e um educador.

Caro, leitor, agora eu pergunto: qual a escola dos seus sonhos? Para mim, é a escola que educa os jovens para extraírem força da fragilidade, segurança da terra do medo, esperança da desolação, sorriso das lágrimas. A escola dos meus sonhos une a seriedade de um executivo à alegria de um palhaço, a força da lógica. Na escola dos meus sonhos, cada criança é uma joia única no teatro da existência. Nela, os professores e os alunos escrevem uma belíssima história. São jardineiros que fazem da sala de aula um canteiro de pensadores.

Provavelmente, não é o que tenho testemunhado nas instalações educacionais de Parauapebas. O que tenho presenciado nas salas de aula são educadores sem sensibilidade pedagógica para conduzir suas aulas com crianças. Acredito que o quadro de educadores deveria passar por uma avaliação psicológica antes de serem recrutados para ministrar suas aulas. Faz-se necessário ressaltar que não é suficiente o diploma de educador, mas sim sua vocação por natureza.

Numa certa ocasião, fui ao encontro do meu filho no colégio. Ao chegar, o encontrei nas dependências da direção da escola. Imaginei que tivesse ocorrido algum agravante, para ele estar me aguardando na direção do estabelecimento de ensino. Mas logo seguida chega seu professor e esclarece o motivo real pelo qual ele permanecia ali. Disse que era para evitar distorções do que ocorreu e achou sensato tomar essa atitude diante de uma autoridade da instituição educacional, relata o professor, compartilhando o que houve. Ele descreve que meu filho voltou da educação  física para sala de aula, mas esqueceu de calçar seus sapatos. Logo em seguida, pede para o professor que gostaria de ir ao banheiro para urinar, mas o professor não o autorizou, alegando que a criança não poderia ir ao banheiro sem antes calçar seus sapatos, pois o banheiro apresenta riscos biológicos, uma vez que numerosos alunos são usuários do espaço e ele poderia se prejudicar se fosse descalço, argumentou o professor. Meu filho não se conteve diante desse incômodo fisiológico e se urinou na sala de aula. Meu filho tem apenas sete anos de idade e comentou que estava com dificuldades para calçar seus sapatos e a falta de sensibilidade e compreensão de seu professor, que praticou um gesto opressor e constrangedor para uma criança.

Essa prática inadequada de comportamento de um educador coíbe o desenvolvimento intelectual de uma criança em todos os segmentos de sua vida social. Esse profissional agiu de astúcia ao me aguardar na direção do colégio para evitar um transtorno, e tentou se prevalecer, sendo que era uma criança, mas fiz que ignorei o fato, e essa matéria é uma prova que não.

Peço aos novos representantes eleitos que restaurem esse quadro de educadores dessa natureza. Vejo nestas salas de aulas não professores, mas generais que pensam que estão num quartel lidando com soldados e não alunos. Não são todos, mas uma parcela mal formada ou sem capacidade alguma para lidar com crianças dessa faixa etária em salas de aula. Já é tempo de produzirmos autores e não vítimas da própria história. Na escola da vida as notas baixas nos ajudam mais que as notas altas. Peço aos mestres que encontrem espaço para humanizar o conhecimento. Um professor influencia mais a capacidade de um aluno pelo que é e não pelo que sabe. Não percam a capacidade de serem alunos.